Eu perdi meu filho, mas nunca perdi a fé

Por: Betty Paredes (Mexico)

Foi em 2016 que experimentei a maior dor que já senti com quando eu perdi meu filho, Ethan. Ele era um bebê tão esperado, pois meu marido e eu estávamos casados havia 5 anos e não tínhamos conseguido engravidar. Ainda me lembro que meu marido sofria quando me via chorando todos os meses quando minha menstruação chegava. Por isso, Ethan já era o bebê mais amado do universo. Foram 12 semanas de gravidez de alto risco, eu vivia com muito medo, orava todos os dias e, em um daqueles dias, o medo se materializou em um aborto espontâneo. O coração de Ethan parou de bater. Senti uma dor profunda, algo dentro de mim havia se quebrado, uma parte de mim havia desaparecido, a esperança havia se perdido e eu não sentia vontade de nada. Não comia e nem me movia, estava com DEPRESSÃO.

Quatro anos atrás eu já trabalhava com terapias complementares e energéticas como Reiki, meditação, entre outras. Eu sabia que tinha que viver minha dor e as terapias me ajudaram. Mas, sentia como se o meu corpo estivesse pedindo por algo a mais. Uma amiga me apresentou aos florais de Bach e, então, comecei a tomá-los. Eu os considero uma forma de fisioterapia. Minha consciência hoje é que nosso corpo requer não apenas terapias energéticas, mas também físicas. Deus Pai e o tempo efetivamente me levaram a curar o meu ser, a amar Ethan incondicionalmente por me escolher como a sua mãe, mesmo que tenhamos ficado juntos por apenas alguns meses.

Comecei a sentir muito mais paz e harmonia. O meu marido e eu optamos por sair de férias e no final de semana encontramos muito prazer em estar junto à natureza e conhecer novos lugares. Eu confiei muito na meditação e, na verdade, foi cerca de um ano após a partida de Ethan que participei de um workshop meditação transcendental que consistia em nove meditações. Ao final havia fizemos um retiro e, uma semana depois acordei e lembrei do sonho onde uma criança corria entre as árvores da floresta e rindo me perguntou: isso é amor incondicional?

Eu sabia que estava grávida de novo, mas não podia confirmar porque ainda estava no meu 1º mês. Mas eu sabia. Eu me olhava no espelho, olhava nos meus olhos e percebia algo diferente neles, um brilho diferente. Em uma meditação, meu anjo me disse: você está grávida, não se preocupe, tudo ficará bem. Perto da hora de poder fazer o teste, sonhei com a Virgem Maria e ela me disse: que você está grávida, vá fazer o teste, vai dar positivo. Eu sabia que seria assim, e assim o fiz.

Naquela manhã, por volta das 7h, fui comprar o teste de gravidez e deu positivo. Meu coração se encheu de profunda alegria e hoje, Ivan, meu segundo bebê, vai fazer 3 anos. Ele é o bebê mais amado e esperado do universo.

Nunca perca a fé.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

A empresa processa seus dados para facilitar a publicação e gerenciamento de comentários. Você pode exercer seus direitos de acesso, retificação, exclusão e oposição, entre outros, de acordo com nossa Política de privacidade .