Graças à minha filha, vi que não preciso controlar tudo

Por: M.C. (U.S.A.)

Era hora de nos deitar e estávamos passando pela rotina de ir dormir. Minha filha de 6 anos estava esperando pacientemente por mim, sentada na sua cama, e eu estava no banheiro tentando me recompor. Estava me sentindo completamente exausta e estressada por causa de muitas coisas, mas consegui manter um ambiente feliz durante a tarde para a minha filha, embora o que eu realmente quisesse fazer fosse chorar até dormir.

Lavei meu rosto com água fria, passei um pouco de sérum calmante, respirei fundo e fui colocar minha filha para dormir. Lemos a historinha “Boa noite Lua” e depois conversamos sobre as coisas pelas quais somos gratas e, então, era hora de abraços e beijos. Enquanto minha filha me apertava com força em seus braços, ela sussurrou no meu ouvido: “Mamãe, você está fazendo o melhor que pode”.

Eu congelei, segurei aquele abraço ainda mais forte, e as lágrimas começaram a rolar pelo meu rosto. Minha linda filha de 6 anos é tão intuitiva, sempre aparentemente sabendo a coisa certa a dizer. Nós nos abraçamos um pouco mais naquela noite, e então eu a coloquei na cama e fui para a cama.

Ao me preparar para dormir, tomar banho e meditar, percebi que minha filha me disse o que eu digo a ela muitas vezes. E quando digo isso a ela, é porque realmente acredito que todos nós estamos fazendo as coisas da melhor maneira que sabemos em um dado momento, com os recursos e capacidades que temos. Então, por que parecia tão estranho ouvir isso dela?

Compreendi naquele momento que eu não estava acreditando que essa afirmação fosse verdadeira para mim, por mais incompreensível que possa parecer. Eu estava sendo muito dura comigo mesma, criando expectativas impossíveis de cumprir e colocando sobre os meus ombros muita responsabilidade em relação ao bem-estar dos outros, tentando controlar tudo.

Peguei meu diário naquele momento e escrevi o que a minha filha disse e como isso se aplicava a tudo o que estava me preocupando naquele momento.

Enquanto escrevia, relaxei e muitas lágrimas escorreram. Senti alívio e leveza. Decidi que manteria esse lembrete na minha cabeça de agora em diante. E também percebi que esses momentos desafiadores que estava vivenciando, trouxeram essa oportunidade de me conectar com a minha filha de uma forma linda, da mesma forma que aquelas palavras importantes me tornaram mais compreensiva e empática comigo mesma. Eu senti muita gratidão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

A empresa processa seus dados para facilitar a publicação e gerenciamento de comentários. Você pode exercer seus direitos de acesso, retificação, exclusão e oposição, entre outros, de acordo com nossa Política de privacidade .