Superar o abuso físico e prosperar

Por: Trish Lee (Alemanha)

Nunca se sabe realmente como a vida é frágil até quando você quase a perde. Sou uma sobrevivente de abuso físico e sou grata por estar viva todos os dias.

Fui abusada fisicamente por um membro da família 3 vezes na minha vida. Dessas 3, duas vezes eu pensei que a minha vida fosse acabar.

Minha primeira experiência foi quando eu tinha apenas 12 anos. A segunda vez foi quando eu tinha cerca de 14 anos. E a terceira, quando eu tinha 15. Dói dizer isso, mas a pessoa que me atacou foi o meu próprio irmão.

Éramos realmente muito próximos quando crianças. Na verdade, às vezes nossa mãe tinha que gritar com a gente para irmos dormir, porque nos divertíamos muito, rindo e brincando um com o outro e nos recusávamos a dormir!

Mas, de alguma forma, ao longo do caminho, meu irmão começou a mudar ao passar do ensino fundamental para o ensino médio. Seu grupo de amigos mudou (eles não eram uma boa influência para ele), o que também o fez mudar como pessoa.

Ele começou a ficar mais distante, mais frio. Ele se interessou por musculação, gostava de assistir wrestling, se meteu em lutas e passou a xingar com frequência. De alguma forma, ele não era mais o mesmo irmão que conheci.

Eu estava assistindo à TV e de repente ele desligou, sem nem me perguntar primeiro, simplesmente porque queria limpar a TV. Ele estava limpando a casa e queria tirar a poeira da TV também.

Eu disse a ele que estava assistindo à TV e não conseguia entender por que ele não podia esperar um pouco. Em seguida, liguei novamente. Em um piscar de olhos, ele de repente se tornou um monstro, um lado dele que eu nunca tinha visto antes.

Ele gritou comigo e começou a me insultar. Ele disse: “e se eu limpasse a TV ligada e fosse eletrocutado?” E então começou a me bater como um animal. Ele socou, chutou, sufocou e me arrastou pela casa. Quando ele terminou, meu rosto estava sangrando e todo o meu corpo estava machucado.

Lembro de ter pensado na sorte que tive em sobreviver àquela experiência… só Deus sabe como sobrevivi a esse nível de violência bárbara. Além da dor tremenda que eu estava sentindo, o que era realmente difícil de engolir, tive que ir à escola no dia seguinte e ouvir meus amigos me perguntando o que tinha acontecido com o meu rosto e meu pescoço. Havia marcas pretas azuladas por todo lado…

Levei muitos anos para curar lentamente, encontrar dentro de mim a capacidade de perdoá-lo e deixar o passado para trás. Embora aqueles momentos sombrios tenham ficado no passado agora, às vezes ainda tenho pesadelos. Eu aprendi que a dor física cura com o tempo, mas o trauma pode nos deixar ressentidos com a vida e nos assombrar por um longo tempo se nossas emoções não forem tratadas adequadamente. Nenhuma quantidade de tempo pode jamais desfazer o que foi feito, nem qualquer quantidade de desculpas tornará as ações do agressor aceitáveis ou corretas.

Com essa aceitação, nós, sobreviventes, podemos ESCOLHER ficar com dor e raiva, permitir que nos devorem lentamente por dentro, deixar esta bela vida que nos foi dada desaparecer bem diante dos nossos olhos… OU, podemos escolher em ESQUECER. Decidir esquecer, encerrar o capítulo e seguir em frente é o MELHOR presente que podemos dar a nós mesmos.

Apenas saiba que deixar ir ou perdoar não significa que temos que ser amigos íntimos dos nossos agressores. Mesmo se eles forem da família, podemos escolher excluí-los das nossas vidas se eles forem cruéis e tóxicos para nosso bem-estar mental. Podemos escolher FOCAR em nossas próprias vidas e escrever os capítulos que estão por vir.

Eu já fui uma pessoa muito amarga, que odiava a vida e sofria de tremenda baixa autoestima. Tenho orgulho de mim por aprender a ESQUECER e me concentrar na construção de uma vida com a qual sempre sonhei, em vez de me apegar à dor. Hoje, posso dizer que sou abençoada com um marido amoroso, uma filha carinhosa, um lar humilde e boa saúde.

Para quem está sofrendo, especialmente mulheres, por favor, busque AJUDA e apoio. Por favor, não sofra em silêncio! Este foi o MAIOR erro que cometi quando criança. Não pense que é SUA CULPA ou que você merece ser abusada. Não brinque com a sua vida. Ninguém merece ser tratado como um animal. Você merece amor e respeito como qualquer pessoa. TODOS NÓS MERECEMOS!

Para todos os sobreviventes, você NÃO ESTÁ SOZINHO. Saiba que a cura É possível, mas temos que ESCOLHER fazer ativamente o trabalho interno. É possível ter dias mais brilhantes.

Como Amit Ray, um autor indiano e mestre espiritual disse certa vez: “Se você quer voar no céu, precisa deixar a terra. Se você quiser seguir em frente, você precisa deixar para trás o passado que o arrasta.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

A empresa processa seus dados para facilitar a publicação e gerenciamento de comentários. Você pode exercer seus direitos de acesso, retificação, exclusão e oposição, entre outros, de acordo com nossa Política de privacidade .