Terapias complementares revolucionou minha jornada de cura

Por: Jessica de la Morena (España)

Já escrevi anteriormente sobre minha jornada de bem-estar, como desempenhei um papel ativo em meus tratamentos médicos e como minha experiência geral mudou minha perspectiva sobre a comunidade.

A semana de bateria de exames para obter o meu diagnóstico foi a pior semana da minha vida. Os primeiros exames indicaram que eu tinha um câncer muito agressivo, que provavelmente havia se espalhado por todo o corpo, e me fez sentir como se eu estivesse esperando minha sentença de morte. Você deve imaginar quanto medo eu senti, junto a uma extrema ansiedade e, também, à falta de sono.

A minha comunidade recomendou uma psicóloga que poderia fazer um acompanhamento nessa minha jornada, então logo marquei uma consulta. Ao abrir o coração para ela, ficou evidente para mim como é importante ter alguém com quem conversar que não seja um amigo ou parente. Eu consegui externar muitos medos e raiva que eu nunca tinha compartilhado de outra forma por causa da minha preocupação com o bem-estar das pessoas ao meu redor e, principalmente, por me sentir culpada e responsável pelo momento difícil que elas estavam passando, se preocupando comigo. Continuei a terapia todas as semanas durante meus tratamentos.

Eu me senti visivelmente mais leve após as sessões e, uma vez que meus tratamentos de quimioterapia e radiação começaram, e o choque inicial passou, consegui me concentrar em coisas que eu poderia fazer para contribuir com o meu bem-estar geral. A primeira coisa que fiz foi buscar melhorar meu bem-estar físico para aliviar os efeitos colaterais que estava tendo com os tratamentos, como náuseas, dores de cabeça, vertigens e dores nos ossos. Uma querida amiga que ensina Reiki me recomendou uma especialista que poderia vir à minha casa, então abracei a oportunidade. Já havia experimentado o Reiki antes, comumente conhecido como cura energética, e sabia como ele poderia ser eficaz. No dia seguinte, após a quimioterapia, a terapeuta de Reiki veio até mim e eu tive uma sessão completa de 1 hora, deitando-me confortavelmente enrolada em um cobertor, ouvindo uma música muito relaxante, enquanto a terapeuta encostava suas mãos em diferentes partes do meu corpo. Adormeci durante a maior parte do tempo, mas depois me senti notavelmente menos enjoada e muito relaxada, pronta para uma boa noite de sono. Após a sessão, conversamos sobre sentimentos e pensamentos que surgiram durante o processo e concordei em escrever sobre eles diariamente. Daquele dia em diante, também continuei a ter sessões de Reiki semanais.

Em meu diário, surgiram muitas emoções interessantes, as quais compartilhei com minha psicóloga e, também, com a minha amiga que ensina Reiki. Minha amiga recomendou que eu tentasse ainda outro tipo de terapia chamada biodecodificação, que ela considera extremamente poderosa e útil. O nome certamente despertou minha curiosidade, e como ela a recomendou com tanta veemência, entrei em contato com o médico que ela indicou. Conversamos por telefone e ele me explicou que a biodecodificação é uma técnica para decodificar qualquer tipo de sintoma (físico, emocional e mental) e resolver sua causa bioemocional e ancestral subjacente ao nível celular. Eu imediatamente me senti confortável com ele e decidi experimentar o tratamento. Tivemos uma sessão de duas horas na semana seguinte via Skype e foi surpreendente. Por meio de perguntas e visualizações, ele habilmente me levou de volta a situações do meu passado que eu havia obliterado completamente. Ao descobri-las, experimentei uma onda de emoções que a princípio estavam tão presas na minha garganta que eu nem conseguia falar. Expusemos situações nas quais eu adotei certos comportamentos como mecanismos de sobrevivência para me ajudar a seguir em frente. Depois, ele me conduziu por uma abordagem para reafirmar a mim mesma que aqueles comportamentos ou padrões tiveram algum propósito no passado, mas que hoje já não me serviam mais. Aquele momento foi um processo extremamente revelador para mim, pois me ajudou a compreender muitas experiências anteriores. Naquela noite não consegui dormir sentindo um aperto no peito e muita angústia, mas no dia seguinte me senti normal novamente. A surpresa maior veio dias depois quando confrontei com uma situação relacionada ao que havíamos trabalhado e pude observá-la antes de reagir, a tempo de adotar uma atitude diferente da qual eu estava acostumada. Depois disso, tive uma sessão de acompanhamento de 2 horas na qual nos concentramos em questões que o meu terapeuta havia visto em outras pessoas com doenças similares, e que tiveram resultados mais interessantes. Tenho feito um extenso diário sobre o que aprendi e discutido com minha psicóloga a respeito. Por meio desse trabalho e dessas discussões, hoje prático novos comportamentos ao me deparar com situações que me dão a oportunidade de tentar uma abordagem diferente daquela da qual estou acostumada. Isso geralmente me deixa mais feliz e menos exposta ao estresse emocional.

Tanto minha psicóloga quanto minha terapeuta de Reiki recomendaram que eu, também, praticasse meditação diariamente e, embora eu tivesse feito algumas meditações guiadas no passado, não era algo que eu estava acostumada a fazer regularmente. Descobri meditações de respiração guiadas online de 10 minutos e comecei a praticá-las duas vezes ao dia, uma pela manhã e outra à noite. Na maioria das vezes eu desmaiava ao ouvi-las, mas descobri que o sono era bastante reparador. Também coloquei alarmes no telefone durante o dia para me lembrar de fazer uma pausa e respirar profundamente algumas vezes. Tanto as meditações quanto as pausas durante o dia me mantiveram centrada e acalmaram minha mente, como uma ducha fria e tranquilizante para o cérebro. Logo me tornei viciada a essas práticas e procuro exercê-las em momentos de esgotamento, o que são indicadores da sua extrema eficácia. Eu as pratico em momentos de estresse extremo, como durante meus exames trimestrais de check-up enquanto permaneço em uma máquina por uma hora, transformando os 60 minutos que seriam recordações terríveis, em 60 minutos de meditação relaxante e calmante que induz ao sono. Também adquiri ao exercício físico diário em minha rotina, que é outra forma de atenção plena que também exercita meu corpo.

Meus tratamentos foram tão agressivos que meu exame de sangue mostrou níveis extremamente baixos da capacidade do sistema imunológico e da função dos glóbulos vermelhos, o que significava que meu tratamento poderia ser adiado, pois meu corpo precisava de tempo para se recuperar antes de suportar a próxima sessão de tratamento. Uma grande amiga que havia passado por um tratamento semelhante ao meu contou como uma dieta predominantemente vegetal, e a ingestão de certos alimentos, a ajudaram a melhorar o tempo de recuperação do corpo. Depois de muita pesquisa, e também de consultar um nutricionista especializado em oncologia, comecei a cultivar meus próprios brotos de brócolis, e a incluir certos superalimentos, como açafrão, gengibre e ashwagandha, em minhas frutas matinais e vitaminas vegetarianas, retirando o glúten e leite de vaca da dieta, e comendo salmão e outros peixes em vez de carne vermelha, entre outras coisas. Eu imediatamente me senti melhor. Além disso, notei que meus trabalhos de blook mostraram tempos de recuperação mais rápidos.

Continuei a investigar e a experimentar diferentes terapias adicionais e estou convencida de que cada uma delas contribuiu para o meu bem-estar geral, ajudando o meu corpo a se recuperar da doença. Essas terapias complementares têm ângulos diferentes e são úteis de forma independente, mas juntas resultaram em uma abordagem mais holística para a minha recuperação. Sou eternamente grata a todos esses terapeutas que me acompanharam nessa jornada para o bem-estar e me ajudaram a aprender mais sobre eu mesma ao longo do caminho.

Outra coisa que foi uma surpresa agradável para mim em relação aos praticantes de terapia complementar, foi a disposição em recomendar outros especialistas que poderiam me ajudar de maneiras diferentes. Em vez de manter sua rede de contatos pequena ou de tratar apenas uma parte de mim, eles me apresentaram a outras pessoas que poderiam me dar uma visão mais completa do tratamento de cura, e isso foi vital para minha recuperação. A generosidade que meus médicos demonstraram ao compartilhar suas redes e a identificar outras pessoas para me ajudar fez uma grande diferença ao me tratar como uma pessoa plena, em vez de apenas observar um ou dois sintomas de cada vez.

Em suma, é incrível pensar que, se não fosse pela minha doença, eu não teria descoberto nenhuma dessas ferramentas que agora são partes integrantes do meu plano de autocuidado. Continuo a usar essas e outras terapias para me auxiliar em meu trabalho interior, pois percebi que só havia visto a ponta do iceberg e que esta é uma jornada para a vida toda. Eles me fortaleceram drasticamente e ajudaram a reforçar minha capacidade de resposta, permitindo-me ver claramente os pontos de decisão que antes eram invisíveis para mim.

É fácil voltar aos velhos hábitos, uma vez que a urgência relacionada a uma doença não existe mais, no entanto, é igualmente fácil garantir que você tenha um plano de autocuidado que inclua terapias e práticas ideais para você e arranjar tempo para praticá-las.

E eu adoraria saber – quais terapias e práticas complementares e mudanças de estilo de vida foram fundamentais para você?

Conte para nós, pois essa abertura ajuda a todos em nossas jornadas. Ao ajudar aos outros, VOCÊ também pode ser um herói para eles.

Compartilhe a sua história com outras pessoas, adicione a hashtag #uarethehero e marque @u_are_the_hero no Instagram. Além disso, divulgue nossa iniciativa compartilhando o meu perfil em sua rede para que possamos construir uma comunidade de apoio e de cura.

Desejo muita força e amor a você, e um lembrete de que não importa qual seja a sua jornada, você não está sozinho, pois muitas vezes o herói que você está procurando esteve dentro de você o tempo todo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

A empresa processa seus dados para facilitar a publicação e gerenciamento de comentários. Você pode exercer seus direitos de acesso, retificação, exclusão e oposição, entre outros, de acordo com nossa Política de privacidade .