Tive um Linfoma Estágio 4 aos 22 anos

Por Mags Bujalski

Aos 22 anos, quando senti que minha vida finalmente estava se recompondo, ela, de repente, se desfez. Eu tinha acabado de aceitar uma oferta de emprego dos meus sonhos e estava a dois meses de terminar a faculdade quando recebi a notícia de que tinha um linfoma estágio 4: um linfoma primário de células B grandes do mediastino, para ser exato.

Depois de parecer ter feito centenas de varreduras e exames de sangue, eu finalmente comecei meu tratamento: quimioterapia. Eu sabia que os meses por vir seriam desafiadores, mas decidi enfrentá-los de frente e ver isso como um obstáculo na vida, ao invés de um acidente de carro.

Eu tentei o meu melhor para manter uma mentalidade positiva durante toda a minha jornada, tanto nos dias ruins quanto nos bons. Decidi que, embora não pudesse planejar muito em relação ao meu tratamento, ainda poderia fazer tudo ao meu alcance para ter certeza de que estava fazendo minha parte para cuidar de mim, tanto emocional quanto fisicamente.

Fisicamente, eu queria manter minha rotina o mais próximo do normal possível. Eu tentava fazer as minhas tarefas habituais, como as minhas compras e limpar a casa (quando meu corpo estava bem, é claro). Fiz minhas pesquisas e nutri o meu corpo com alimentos integrais saudáveis para manter as minhas forças durante o tratamento, ajudando o meu corpo a se recuperar da quimioterapia. A atividade física continuou sendo uma parte vital da minha rotina. Além dos benefícios óbvios, isso apenas me ajudou a me sentir eu mesma e como se ainda tivesse algum tipo de controle sobre a minha saúde.

Emocionalmente, concentrei-me no que sabia que precisava naquele momento. Eu sei que sou uma pessoa que se preocupa e pensa demais, se não tenho nada ocupando minha mente. Para combater isso, decidi encontrar um novo hobby: YouTube. Aprender a filmar, editar e fazer upload de vídeos ocupou muito do meu tempo e eu diria honestamente que alguns dias isso me salvou de uma recaída. Manter minha mente ocupada era algo que eu sabia que precisava fazer.

Aqueles meses de tratamento voaram e antes que eu percebesse, eu estava em remissão e tinha uma nova apreciação pela vida. O câncer me ensinou muitas lições boas e também muitas lições difíceis. Mas eu escolho curtir as coisas bonitas da vida porque no final do dia, essa vida é mágica e incrível. Saúde é realmente uma riqueza que agora eu sempre irei valorizar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

A empresa processa seus dados para facilitar a publicação e gerenciamento de comentários. Você pode exercer seus direitos de acesso, retificação, exclusão e oposição, entre outros, de acordo com nossa Política de privacidade .